bio

Hirosuke Kitamura was born in Osaka, Japan, in 1967. Raised in Bangkok, Thailand, he was fluent in the Thai language, which he no longer remembers. He trained six days a week in a boxing gym in order to become a professional boxer, but had to give up his dream as his left eye was injured during a fight. In 1990, after graduating in Literature from the Kyoto University of Foreign Studies, he came to Salvador through an exchange program and worked in a bank as an intern. He taught Japanese at a university just because he could speak Japanese. In 1995, Kitamura took a crash course in photography and began photographing with a Nikon FM2. In Bahia, he is known as Oske or China.


solo exhibition

2017  Breu Doc Galeria/Biographica – São Paulo

2014  SamsaraGaleria 1500 babilônia – Rio de Janeiro   

2012  HidraGaleria Fauna – São Paulo

2012  Hidra1500 Gallery – New York, EUA 

2008  Morte cerebral de uma cidade sem lembrançasGaleria Solar Ferrão, Salvador-BA   

2004  Material in Vita」 Conjunto Cultural da Caixa, Salvador – BA  

2002  Casa de Encontro」 Galeria Fayga Ostrower (FUNARTE), Brasilia – DF

2002  Salvador - Cidade que se mantém orandoNIKON Salon, Tokyo - JAPÃO

 

collective exhibition

2018    Solar Foto Festival / Terra em transe, Museu de Arte Contemporânea Dragão do Mar, Fortaleza –CE

2017    Prêmio Nacional de Fotografia Pierre Verger, Selecionado, Palacete das Artes, Salvador –BA

2017    Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, Premiado, Casa de Onze Janelas,Belém-PA

2016    Só cabeças – Museu de Arte Moderna da Bahia, Salvador – BA

2016  Universo Oculto Espaço Pierre Verger da Fotografia Baiana, Forte de Santa Maria – Salvador

2016    Humanas Interlocuções – Fundação Vera Chaves Barcellos, Porto Alegre-RS

2014    Salões Regionais da Bahia - Camaçari-BA

2013    Experências e Extremos, Galeria Leme, São Paulo - SP

2012 Bienal do Recôncavo, São Felix - BA (Prêmio Aquisição)

2012    Albatrozes imóveis no ar, Galeria ACBEU – Salvador -BA

2011    Salões Regionais da Bahia - Alagoinhas-BA

2010    Art San Diego - California-EUA

2010    Salões Regionais da Bahia - Jequié-BA(Menção honrosa)

2008    Bienal do Recôncavo, São Felix - BA (Menção honrosa)

2008    Festival Internacional de Fotografia de Porto Alegre  FestFotoPoa, Porto Alegre

2007    Photo Espanha, Museu de Arte Contemporâneo, Madrid - Espanha

2007    MíraMe – Uma ventana a la fotografía brasilena, Fototeca, Havana - Cuba

2007    Festival Internacional de Fotografia de Porto Alegre  FestFotoPoa, Porto Alegre

2006    A fotografia na Bahia, Museu de Arte Moderna da Bahia, Salvador - BA

2004    Salão do Arte Pará, Belém – PA

2003    Exposição Destaque, Alunos das Oficinas do MAM-BA

2002    Salão do Arte Pará, Belém - PA

2002    Coleção Pirelli, Museu de Arte de São Paulo(MASP), São Paulo-SP

2001    3a.Mostra-Programa Anual de Fotografia, Centro Cultural São Paulo – SP

2001    Galeria ACBEU, Salvador – BA

2000    3a. Bienal Internacional de Fotografia, Curitiba – PR

1998    Concurso Nacional de Fotografia de futebol – FUJIFILM - SP.

1997    Primeiro Lugar/Concurso Bahia de Todos os Ângulos/ promovido pela TV Bahia e Jornal Correio da                  Bahia, Salvador – BA

1996    O olhar oriental sobre a Bahia - Fundação Oriental KIKUCHI – Salvador-BA.


residency programs                                                                                                                                                                                                      2016   Assosiação de Prostitutas em Minas Gerais / Guaicurus (BH)                                                                                      2017   Diário Contemporâneo / Belém 

collection                                                                                                                                                                                                                  Museu de Arte de São Paulo (Coleção Pirelli)                                                                                                                                              Museu de Arte Moderna de São Paulo (Clube dos Colecionadores)                                                                                            Fototeca (Havana)                                                                                                                                                                                              Centro Dannemann(São Felix)                                                                                                                                                                     Espaço Pierre Verger da Fotografia Baiana      

Tenho certa admiração pela culturas orientais, em especial, à cultura e o povo japonês. São possuidores de uma atmosfera serena e abstrata, na persistente direção à finalidade do propósito inicial. São portadores do fruto de uma genealogia cultural antiga, não importando se residem em seu pais de origem ou se estão semeados pelos quatro cantos da terra. 

Já alguns anos tenho observado não só o desenvolvimento do trabalho do artista fotógrafo Hirosuke Kitamura, Oske, mas também a sua tentativa de adaptação como personagem inserido na cultura baiana. A sua simplicidade e a cuidadosa observação do nosso universo mítico da Bahia está inserida nas  imagens que agora nos apresenta. 

As suas fotografias são na sua maioria fragmentos de um tempo perdido que ainda pode ser ressuscitado por aqueles personagens solitários na sua trajetória persistente. 

Poucos são os homens que trabalham em silêncio, que vão de encontro às raízes do substancial independente de credo, de etnia, de partidarismo. 

O trabalho de Oske é uma gota de veneno na vaidade dos fotógrafos de nossa cidade. Gosto do seu trabalho e da sua postura como indivíduo a qualidade da obra depende dessa relação.                                                                   

mario cravo neto  2004


O trabalho de Hirosuke apresentam uma singular capacidade de acentuar determinados aspectos do cotidiano que, muitas vezes, tornam-se invisíveis aos nossos olhos. A temática deflagrada pelo artista não se encerra nos limites do ambiente ali exposto; seu olhar incide sob o que há de grave, torna perceptível outras realidades desnudando-as através das marcas do tempo e de sua inexorabilidade. Para além do observador-etnográfico, Hirosuke registra situações e pessoas que encarnam as mais intensas contradições; lugares e corpos que se situam na tensão entre paradoxos e que por isso tornam-se, de maneira muito particular, belos- podemos mesmo dizer, de acordo com o filósofo Jacques Ranciére, que “O banal torna-se belo como rastro do verdadeiro”.

laio bispo  2012